A Unidade ACESSO da FCT destaca

APD

Desenvolver a Economia Digital e a Sociedade do Conhecimento, preparando Portugal para um novo modelo de atividade económica.

Ler mais sobre a APD
APD

WCAG 2.0

Através da publicação do Regulamento Nacional de Interoperabilidade Digital (RCM n.º 91/2012 de 8 de novembro) as WCAG 2.0 do W3C passaram a ser explicitamente mencionadas na legislação nacional.

Saiba mais sobre as WCAG 2.0
WCAG 2.0

Agenda Digital

A Comissão Europeia lançou, em Março de 2010, a estratégia Europa 2020, que define as grandes linhas para a saída da crise e prepara a economia da UE.

Saiba Mais sobre a Agenda Digital
Agenda Digital

Notícias de primeira página

A refeição do homem cego - Pablo Picasso (1903)

Pablo Picasso: A Refeição do Homem Cego (1903) | The Metropolitan Museum of Art.

Esta impressionante pintura é um dos quadros mais tocantes do Período Azul de Pablo Picasso, denominado assim pela coloração azul que atravessava o seu trabalho na altura (Outono 1901 – meados de 1904).

Frequentemente representava figuras solitárias posicionadas em fundos vazios. A paleta azul transmite um ambiente de melancolia e de desolação às imagens que sugerem tristeza, desânimo, pobreza, prostração e desespero. Entre os temas, os que mais predominavam eram os idosos, os desamparados, os cegos, os sem-abrigo, e outros excluídos da sociedade.

A Refeição do Homem Cego, pintado em Barcelona no Outono de 1903, resume as características estilísticas do Período Azul de Picasso: desenho rigoroso, composições e formas simples hieráticas e como é óbvio uma tonalidade de azul. A obra apresenta uma figura desamparada sentada perante uma humilde refeição. Numa carta, preservada na colecção Barnes em Merion, na Pennsylvania, Picasso faz uma descrição muito precisa sobre a obra:

“Estou a pintar um homem cego à mesa. Segura um pouco de pão com a sua mão esquerda e tateia com a sua mão direita um jarro com vinho.”

Uma tigela vazia e um guardanapo branco completam a natureza morta na mesa. A figura do homem tenuemente contornada, de mãos compridas e finas ao estilo de El Greco, o ambiente sem adornos, e a sua cegueira tornam a sua condição de oprimido em tudo mais aguda. Os pontos de luz na sua face e pescoço, mãos, pão e guardanapo realçam a figura contrastando com o fundo austero.

A pintura não é meramente um retrato de um homem cego; é também a observação de Picasso sobre o sofrimento humano em geral. A pobre refeição de pão e vinho convida à referência da figura de Cristo e ao principal dogma da fé Católica, onde o pão e o vinho representam o corpo e o sangue de Cristo, associações sacramentais que Picasso como Espanhol conheceria. Adicionalmente, podem-se extrair afinidades da obra com a própria situação de Picasso nessa altura, quando empobrecido e deprimido, se identificava estreitamente com os desgraçados da sociedade.

Desenvolver descrições visuais de qualidade é uma tarefa morosa que deve ser feita cuidadosamente por pessoas que escrevam bem e que tenham conhecimentos na área da edição. Em 2001, Susan Anable fez um pequeno guia com 6 recomendações que a equipa da Unidade ACESSO então traduziu para português e a que deu o nome de “5 recomendações e mais uma”.

Leia as 5 recomendações (e mais uma) a observar para descrever Obras de Arte

Distribuição do índice AccessMonitor por distritos e regiões autónomas

Distribuição do índice AccessMonitor por distritos e regiões autónomas.
[Consulte a tabela 5 do estudo para uma representação alternativa ao gráfico].

A análise efetuada pelo Departamento da Sociedade de Informação (DSI) da Fundação para a Ciência e a Tecnologia, IP, durante o ano de 2013, aos 338 sítios Web institucionais que compõem o universo dos estabelecimentos de Ensino Superior, revela que nenhum dos sítios cumpre com os requisitos mínimos (nível A) constantes das diretrizes de acessibilidade recomendadas pelo Consórcio Internacional W3C. A versão 2.0 das Web Content Accessibility Guidelines (WCAG) entrou no ordenamento jurídico nacional através do Regulamento Nacional de Interoperabilidade Digital (RNID), e para os conteúdos digitais disponibilizados pelas instituições de Ensino Superior assumem mesmo um caráter obrigatório desde fevereiro de 2013. Diz o RNID:

“todos os sites Internet que disponibilizem exclusivamente informação estão obrigados a cumprir o nível ‘A’ das WCAG 2.0, a partir de 8 de fevereiro de 2013. O RNID recomenda mesmo para este tipo de sítios Web o nível ‘AA’;

todos os sites Internet que disponibilizem serviços online estão obrigados a cumprir o nível ‘AA’ das WCAG 2.0, a partir de 8 de fevereiro de 2013. O RNID recomenda mesmo o nível ‘AAA’ para este tipo de sítios Web.”

Apesar de não se ter encontrado nenhum sítio conforme com o nível ‘A’ das WCAG 2.0, 54% dos sítios obtiveram nota AccessMonitor superior a 5.

Ler mais sobre Estudo sobre o estado da Acessibilidade dos sítios Web dos Estabelecimentos de Ensino Superior (edição 2013)

Leitura eletrónica em ascensão

Leitores de todas as idades estão a descobrir o poder e a conveniência dos livros eletrónicos. Os resultados de um estudo recente da Pew Research Center mostra que a leitura de e-Books está em ascensão em todos os grupos etários. Ao mesmo tempo, a leitura de livros em papel está em queda. Mais de metade da população americana continua a ler livros físicos, mas a percentagem de leitores de e-Books tem crescido dramaticamente. Quase 1/4 dos leitores com mais de 16 anos dizem ter lido um e-Book em 2012, um crescimento de 16% face a 2011.

Este crescimento na leitura de e-Books coincide com o crescimento da popularidade dos eReaders, tablets, e outros dispositivos. 1/3 desses entrevistados reportaram ter pelo menos um eReader ou um tablet.

À medida que os leitores tomam consciência das coleções digitais disponíveis nas bibliotecas, a popularidade do empréstimo de e-Books continua a subir. Os leitores levantaram mais de 70 milhões de e-Books e áudiolivros das bibliotecas OverDrive em 2012, mais do dobro do que ocorreu em 2011. As bibliotecas da rede OverDrive vêem crescer a circulação digital, mais páginas vistas, mais envolvimento com e-Books, áudiolivros, música e vídeo. Ver mais em Blogue OverDrive: eReading on the rise.

Ver Mais Artigos