Acessibilidade Web

Diretiva da acessibilidade dos sítios Web e das aplicações móveis de organismos do setor público. A Diretiva está no presente momento em fase de transposição para o ordenamento jurídico português…

Diretiva (UE) 2016/2102 de 26 outubro

BNP lança o Repositório Nacional de Objetos em Formatos Alternativos

RNOFA - Repositório Nacional de Objetos em Formatos Alternativos

No passado dia 2 de julho a Biblioteca Nacional de Portugal colocou online o RNOFA – Repositório Nacional de Objetos em Formatos Alternativos.

O RNOFA conta com o apoio da Fundação para a Ciência e a Tecnologia. O Departamento da Sociedade da Informação da FCT, no qual a Unidade ACESSO está integrada, financiou toda a infraestrutura necessária para colocar esta importante ferramenta de apoio em funcionamento.

Há muito que a equipa da Unidade ACESSO da FCT persegue o objetivo de criar em Portugal um canal de distribuição de livros acessíveis. Esse objetivo intensificou-se em setembro de 2010 aquando da assinatura do Memorando de Entendimento entre os principais editores europeus e as instituições europeias representantes de pessoas com deficiência. Na mesma linha a equipa da Unidade ACESSO acompanhou de perto o Tratado de Marraquexe e foi quem o traduziu para a língua portuguesa.

A Fome de Livros, um termo cunhado por George Kersher do consórcio DAISY expressa-se no facto de que no mundo desenvolvido, todos os anos, do total de livros publicados apenas 7% são adaptados para um formato acessível para pessoas com incapacidade para ler ou manusear material impresso. Na Europa, nos Estados Unidos, no mundo desenvolvido, as pessoas com incapacidade para ler ou manusear material impresso têm a sorte de ter acesso a 7% dos livros publicados nos seus países, pois no mundo em vias de desenvolvimento, esta percentagem é bastante mais próxima do 1%. Isto é um problema, principalmente quando se sabe, segundo dados da União Mundial de Cegos, que 80% das pessoas cegas e com baixa visão a nível mundial vivem no mundo em vias de desenvolvimento. Significa isto que há milhões de pessoas que vivem sem acesso à palavra escrita. E isto não se deve à falta de capacidade tecnológica.

Os repositórios digitais como o RNOFA são um importante instrumento de inclusão. Com a sua abertura, o RNOFA disponibiliza desde já 3724 livros em braille impresso, 307 livros em braille digital, 2198 audiolivros e 1098 livros em texto digital, produzidos pela Área de Leitura para Deficientes Visuais da Biblioteca Nacional de Portugal (BNP-ALDV).

O RNOFA está aberto a novos produtores e distribuidores de acervo acessível, o que irá adensar o seu catálogo de oferta. No dia 2 de julho assinaram protocolo de cooperação o Instituto Nacional para a Reabilitação, I.P, a Associação dos Cegos e Amblíopes de Portugal e o Centro Professor Albuquerque e Castro da Santa Casa da Misericórdia do Porto. Irão brevemente também assinar, a Biblioteca Municipal do Porto e a Biblioteca Municipal de Vila Nova de Gaia.

W3C/WAI publica Recomendação com as WCAG 2.1

No passado dia 5 de junho de 2018, o Grupo de Trabalho para as Diretrizes de Acessibilidade publicou a Recomendação W3C para a versão 2.1 das Diretrizes de Acessibilidade para Conteúdo Web (WCAG 2.1).

Todos os requisitos (“critérios de sucesso”) da versão 2.0 estão incluídos na versão 2.1. Os critérios de sucesso da versão 2.0 foram transpostos para a versão 2.1 exatamente com o mesmo texto.

Aos 61 critérios de sucesso da versão 2.0 foram adicionados mais 17, perfazendo um total de 78 requisitos.

Os 17 requisitos adicionais da versão 2.1 destinam-se a resolver situações nas seguintes 3 áreas:

  • acessibilidade móvel
  • pessoas com baixa visão
  • pessoas com incapacidade cognitiva e de aprendizagem

Pode consultar:

Global Accessibility Awareness Day

Hoje é o Dia Global da Sensibilização para a Acessibilidade. A Unidade ACESSO, através do seu coordenador Jorge Fernandes, a convite da empresa SiteImprove e da embaixada da Dinamarca, em Lisboa, participa de um evento em que se vai falar de acessibilidade dos conteúdos dos sítios Web e das aplicações móveis. A sua apresentação versa sobre o tema da transposição para o ordenamento jurídico português da Diretiva (UE) n.º 2016/2102 – DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 26 de outubro de relativa à acessibilidade dos sítios Web e das aplicações móveis de organismos do setor público.

Ficheiros descarregáveis com a apresentação “20 anos de acessibilidade Web para Cidadãos com Necessidades Especiais em Portugal – a nova lei da acessibilidade digital em Portugal”: