Noções sobre as WCAG 2.0

Ir para o conteúdo (Pressione a tecla Enter)

Nível de Leitura:
Noções sobre o CS 3.1.5

3.1.5 Nível de Leitura: Quando o texto exigir uma capacidade de leitura mais avançada do que o terceiro ciclo do ensino básico após a remoção dos nomes próprios e títulos, está disponível conteúdo suplementar, ou uma versão que não exija uma capacidade de leitura mais avançada do que o terceiro ciclo do ensino básico. (Nível AAA)

Finalidade deste Critério de Sucesso

O conteúdo deve ser escrito da forma mais clara e simples possível. A finalidade deste Critério de Sucesso é:

  • garantir que o conteúdo adicional está disponível para ajudar a compreender texto difícil ou complexo;

  • estabelecer uma medida testável que indique quando é necessário o conteúdo adicional.

Este Critério de Sucesso ajuda pessoas com incapacidades de leitura, ao mesmo tempo que permite que os autores forneçam conteúdo da Web difícil ou complexo. A dificuldade do texto é descrita em termos do nível de ensino necessário para ler o texto. Os níveis de ensino são definidos de acordo com a ISCED (International Standard Classification of Education) (CITE - Classificação Internacional Tipo de Educação) [UNESCO], que foi criada para permitir a comparação internacional entre sistemas de educação.

O texto difícil ou complexo pode ser apropriado para a maioria das pessoas do público-alvo (ou seja, a maioria das pessoas para quem o conteúdo foi criado), mas existem pessoas com incapacidades, incluindo incapacidades de leitura, mesmo entre utilizadores com um elevado grau de instrução com conhecimento especializado do assunto. Pode ser possível incluir estes utilizadores tornando o texto mais legível. Se não for possível tornar o texto mais legível, então é necessário conteúdo suplementar. O conteúdo suplementar é necessário quando o texto exige uma capacidade de leitura mais avançada do que o terceiro ciclo do ensino básico, ou seja, mais de nove anos de escolaridade. Esse tipo de texto apresenta grandes obstáculos a pessoas com incapacidades de leitura e é considerado difícil até mesmo para pessoas sem incapacidades que tenham concluído o ensino secundário.

As incapacidades de leitura, tal como a dislexia, dificultam o reconhecimento de palavras escritas ou impressas e a associação das mesmas aos sons correctos. A isto chama-se "descodificar" o texto. A descodificação tem de ser automática para que as pessoas possam ler fluentemente. O acto de descodificar texto palavra por palavra consome muito da energia mental que a maioria das pessoas pode utilizar para compreender o que lêem. O texto que utiliza palavras curtas e comuns e frases curtas é mais fácil de descodificar e, normalmente, requer uma capacidade de leitura menos avançada do que o texto que utiliza frases longas e palavras longas ou pouco familiares.

O nível de ensino necessário para ler o conteúdo de texto (igualmente designado por "legibilidade") é medido ao analisar passagens de texto seleccionadas da página Web. Se a página Web incluir texto escrito para diferentes finalidades ou forem utilizados estilos diferentes, as passagens seleccionadas incluem exemplos dos tipos de conteúdo da página Web e dos estilos diferentes nos quais o conteúdo foi escrito. (Em muitos casos, a página Web contém apenas um tipo de conteúdo de texto, por ex., documentação técnica, um aviso legal, informações de marketing, etc., e todo o conteúdo utiliza o mesmo estilo.)

Os educadores também podem medir o nível de ensino necessário para ler conteúdo de texto. Por exemplo, os professores qualificados podem avaliar o texto de acordo com os critérios de ensino locais para determinar se é necessária uma capacidade de leitura para além da prevista para alunos no último ano do terceiro ciclo do ensino básico.

Uma vez que os nomes das pessoas, os nomes das cidades ou outros nomes próprios não podem ser alterados para nomes mais curtos com menos sílabas, e como fazê-lo ou fazer referência a uma pessoa apenas por pronomes pode tornar as frases mais difíceis de compreender, o critério de sucesso especifica que os nomes próprios podem ser ignorados ou removidos do texto antes de avaliar se cumprem o requisito de capacidade de leitura. Os títulos referem-se ao nome de documentos, livros, filmes, etc. Os títulos são removidos ou ignorados para a análise, uma vez que alterar as palavras nos títulos poderia facilitar a leitura dos mesmos, mas poderia impossibilitar a compreensão do item ao qual o título se refere. Isto dificultaria a leitura e a compreensão do conteúdo (por ex., um livro, um documento académico, um artigo, etc.). Por conseguinte, os títulos também são especificamente dispensáveis.

Quando uma página Web inclui vários idiomas, deve ser calculado um resultado de legibilidade para cada idioma que constitui, no mínimo, 5% do conteúdo que é utilizado em frases ou parágrafos completos (não apenas palavras ou frases individuais). Toda a legibilidade da página deve ser avaliada no idioma que fornece os piores resultados de legibilidade.

A legibilidade do conteúdo também pode ser determinada aplicando uma fórmula de legibilidade à passagem seleccionada. Muitas (mas não todas) fórmulas de legibilidade baseiam os seus cálculos em passagens de 100 palavras. Essas fórmulas foram desenvolvidas para muitos idiomas. O número de palavras na passagem é contado e o comprimento das palavras é determinado contanto o número de sílabas ou o número de caracteres. A maioria das fórmulas de legibilidade também contam o número e comprimento das frases. O comprimento médio das palavras e frases no conteúdo é depois utilizado para calcular um resultado de legibilidade. (Alguns idiomas, tal como o japonês, podem incluir vários scripts na mesma passagem. As fórmulas de legibilidade para estes idiomas podem utilizar o número e comprimento dessas "ocorrências" nos seus cálculos.) O resultado pode ser apresentado como um número (por exemplo, numa escala de 0 a 100) ou como um nível de classificação. Estes resultados podem depois ser interpretados utilizando os níveis de ensino descritos na Classificação Internacional Tipo de Educação. As fórmulas de legibilidade estão disponíveis para alguns idiomas ao executar os correctores ortográficos em software conhecido, se especificar nas opções deste motor que pretende obter as estatísticas quando concluída a verificação dos documentos.

Níveis de ensino
1º e 2º ciclos do ensino básico 3º ciclo do ensino básico Ensino secundário Ensino superior
Primeiros seis anos de escolaridade 7 a 9 anos de escolaridade 10 a 12 anos de escolaridade Mais de 12 anos de escolaridade

Adaptado da Classificação Internacional Tipo de Educação [UNESCO]

Nota: De acordo com a Open Society Mental Health Initiative, o conceito de Easy to Read (Leitura Fácil) não pode ser universal, e não será possível escrever um texto adaptado às capacidades de todas as pessoas com problemas de compreensão e baixo grau de instrução. A utilização da linguagem mais clara e mais simples é recomendada, mas o Grupo de Trabalho das WCAG não conseguiu encontrar uma forma de testar se isso foi alcançado. A utilização do nível de leitura é uma forma de introduzir a possibilidade de teste num Critério de Sucesso que recomenda uma escrita clara. O conteúdo suplementar pode ser uma técnica eficaz para pessoas com alguma incapacidade cognitiva.

Benefícios Específicos do Critério de Sucesso 3.1.5

Este Critério de Sucesso pode ajudar pessoas que:

  • Tenham dificuldade em compreender e interpretar linguagem escrita (por ex., artigos, instruções ou jornais em texto ou braille), com o objectivo de obter conhecimento geral ou informações específicas

Exemplos do Critério de Sucesso 3.1.5

  1. Um jornal científico com resumos legíveis de artigos de pesquisa complexos

    Um jornal científico inclui artigos escritos em linguagem altamente técnica dirigida aos especialistas da área. A página Índice do jornal inclui um resumo de cada artigo em linguagem clara. Os resumos destinam-se a um público geral com oito anos de escolaridade. Os metadados do jornal utilizam a especificação Dublin Core para identificar o nível de ensino do público-alvo dos artigos como "superior", e o nível de ensino do público-alvo dos resumos como "terceiro ciclo do ensino básico".

  2. Informações de medicina para pessoas comuns.

    Uma escola de medicina tem um sítio da Web que explica descobertas médicas e científicas recentes. Os artigos no sítio da Web são escritos para pessoas sem formação médica. Cada artigo utiliza a especificação de metadados Dublin Core para identificar o nível de ensino do público-alvo como "terceiro ciclo do ensino básico" e inclui o resultado da fórmula Flesch Reading Ease (Facilidade de leitura de Flesch) para o artigo. Um link em cada página apresenta o nível de ensino e outros metadados. Não é necessário nenhum conteúdo suplementar porque as pessoas com o terceiro ciclo do ensino básico conseguem ler os artigos.

  3. Uma aplicação e-learning.

    Um curso online sobre a história cultural espanhola inclui um módulo sobre arquitectura mourisca. O módulo inclui texto escrito para alunos com diferentes capacidades de leitura. Fotografias e desenhos de edifícios ilustram os estilos e conceitos arquitectónicos. São utilizados organizadores gráficos para ilustrar relações complexas, e está disponível uma versão áudio com fala sintetizada. Os metadados para cada versão descrevem o nível académico do conteúdo e incluem um resultado de legibilidade baseado nas fórmulas desenvolvidas para texto em idioma espanhol. A aplicação de aprendizagem utiliza estes metadados e metadados sobre os alunos para fornecer versões de conteúdo educativo que satisfazem as necessidades de cada um dos alunos.

  4. Informações científicas que requerem uma capacidade de leitura ao nível do terceiro ciclo do ensino básico.

    O texto abaixo (com um total de 124 palavras) requer uma capacidade de leitura de nível 4.2 nos Estados Unidos de acordo com a fórmula Flesch-Kincaid. Nos Estados Unidos, o nível 4.2 está ao nível do primeiro e segundo ciclos do ensino básico.

    A ciência é testar - e observar de perto. Alguns cientistas utilizam microscópios para fazerem observações de perto. Nós vamos utilizar um simples pedaço de papel.

    Eis o que vamos fazer: Imprima esta página e corte o quadrado para fazer uma "janela" com 2,5 cm ao quadrado. (É mais fácil dobrar a folha ao meio antes de cortar.)

    Escolha algo interessante: um tronco, uma folha, uma flor, o solo, ou um pedaço do solo escavado com uma pá.

    Coloque a janela sobre o que escolheu e observe de perto. Demore o tempo que quiser - isto não é nenhuma competição.

    Para ajudá-lo a observar mais detalhes, faça um desenho do que se encontra no interior do quadrado.

    Agora, vamos reflectir sobre o que descobriu.

    (Fonte: Howard Hughes Medical Institute http://www.hhmi.org/coolscience/forkids/inchsquare/)

Recursos Relacionados

Os recursos são indicados apenas a título informativo, não implica que tenham sido aprovados.

Técnicas e Falhas para o Critério de Sucesso 3.1.5 - Nível de Leitura

Cada item numerado nesta secção representa uma técnica ou combinação de técnicas que o Grupo de Trabalho das WCAG considera serem de tipo suficiente para cumprir este Critério de Sucesso. As técnicas indicadas só cumprem o Critério de Sucesso se todos os requisitos de conformidade das WCAG 2.0 forem cumpridos.

Técnicas de Tipo Suficiente

  1. G86: Fornecer um resumo de texto que necessite de uma capacidade de leitura menos avançada do que o ensino secundário

  2. G103: Fornecer ilustrações visuais, imagens e símbolos para ajudar a explicar ideias, eventos e processos

  3. G79: Fornecer uma versão falada do texto

  4. G153: Tornar o texto mais fácil de ler

  5. G160: Fornecer versões em língua gestual das informações, ideias e processos que têm de ser compreendidos para utilizar o conteúdo

Nota: Vários sítios da Web podem abordar este Critério de Sucesso de formas diferentes. Uma versão de áudio do conteúdo pode ser útil para alguns utilizadores. Para algumas pessoas que são surdas, uma versão em língua gestual da página pode ser mais fácil de compreender do que uma versão em linguagem escrita, uma vez que a língua gestual pode ser a sua primeira língua. Alguns sítios da Web podem decidir fazer ambas ou outras combinações. Não existe nenhuma técnica que ajude todos os utilizadores que têm incapacidades. Como tal, são fornecidas técnicas diferentes, aqui referidas como técnicas de tipo suficiente, aos autores que tentam tornar os seus sítios da Web mais acessíveis. Qualquer técnica numerada ou combinação acima podem ser utilizadas por um determinado sítio da Web e são consideradas como sendo de tipo suficiente pelo Grupo de Trabalho.

Técnicas Adicionais (de tipo aconselhada) para o 3.1.5

Embora não sejam necessárias para conformidade, as seguintes técnicas adicionais devem ser consideradas de forma a tornar o conteúdo mais acessível. Nem todas as técnicas podem ser utilizadas ou são eficazes em todas as situações.

  • Fornecer texto para páginas de navegação e de destino que necessitem de uma capacidade de leitura menos avançada do que o terceiro ciclo do ensino básico (futuro link)

  • Fornecer texto para páginas interiores que necessitem de uma capacidade de leitura ao nível do terceiro ciclo do ensino básico (futuro link)

  • Incluir resumos de conteúdo em metadados (futuro link)

  • Utilizar a linguagem mais clara e simples para o conteúdo (futuro link)

  • Utilizar RDF para associar suplementos ao conteúdo principal (futuro link)

  • Fornecer uma imagem de representação clara na página inicial do sítio da Web (futuro link)

  • Assinalar claramente, utilizando texto ou um ícone, o conteúdo que foi optimizado para uma leitura fácil (futuro link)

  • Utilizar frases que não incluam palavras redundantes, ou seja, palavras que não alterem o significado da frase (futuro link)

  • Utilizar frases que não incluam mais de duas conjunções (futuro link)

  • Utilizar frases que não sejam mais longas do que o comprimento normalmente aceite para o ensino secundário (Nota: Em inglês são 25 palavras) (futuro link)

  • Utilizar frases que não incluam palavras ou expressões complexas que possam ser substituídas por palavras mais comuns sem alterar o significado da frase (futuro link)

  • Fornecer resumos para diferentes secções de texto (futuro link)

  • Utilizar metadados para associar alternativas em diferentes níveis de leitura (futuro link)

  • Utilizar o elemento de acessibilidade Dublin Core para associar conteúdo de texto a suplementos de texto, gráficos ou falados (futuro link)

  • Utilizar o elemento de acessibilidade ISO AfA para associar conteúdo de texto a suplementos de texto, gráficos ou falados (futuro link)

  • Utilizar o elemento de acessibilidade IMS para associar conteúdo de texto a suplementos de texto, gráficos ou falados (futuro link)

  • Tornar os metadados visíveis aos humanos (futuro link)

    • EXEMPLO: Fornecer, em metadados, URI(s) que apontem para uma transcrição de texto de nível de leitura do ensino pré-primário e do primeiro ciclo do ensino básico de um artigo de nível de leitura avançado de uma nova descoberta científica.

Falhas Comuns para o CS 3.1.5

Em seguida, são apresentados os erros comuns considerados como falhas do Critério de Sucesso 3.1.5 pelo Grupo de Trabalho das WCAG .

(Actualmente, não existem falhas documentadas)

Termos-Chave

terceiro ciclo do ensino básico

o período de dois ou três anos de escolaridade que tem início após a conclusão dos primeiros seis anos de escolaridade e que termina nove anos após o início do ensino básico

Nota: Esta definição baseia-se na Classificação Internacional Tipo de Educação [UNESCO].

conteúdo suplementar

conteúdo suplementar que ilustra ou explica o conteúdo principal

Exemplo 1: Uma versão áudio de uma página Web.

Exemplo 2: A ilustração de um processocomplexo.

Exemplo 3: Um parágrafo que resume os resultados e recomendações principais obtidos numa pesquisa.