Noções sobre as WCAG 2.0

Ir para o conteúdo (Pressione a tecla Enter)

Noções sobre Conformidade

Todos os Critérios de Sucesso das WCAG 2.0 são descritos como sendo critérios testáveis para determinar de forma objectiva se o conteúdo os cumpre. Testar os Critérios de Sucesso implicaria uma combinação de testes automáticos e avaliação humana. O conteúdo deve ser testado por pessoas que compreendem a forma como as pessoas com diferentes tipos de incapacidades utilizam a Internet.

"Testar" e "testável" no contexto referem-se a testes de funcionamento, ou seja, verificar se o conteúdo funciona como esperado, ou, neste caso, se cumpre os Critérios de Sucesso. Embora o conteúdo possa cumprir todos os Critérios de Sucesso, o conteúdo pode nem sempre ser utilizável por pessoas com um grande número de incapacidades. Por conseguinte, além dos testes de funcionamento necessários, recomendamos os testes de utilização. Os testes de utilização têm como objectivo determinar se os utilizadores conseguem utilizar correctamente o conteúdo para a finalidade pretendida. Recomendamos que os utilizadores com incapacidades sejam incluídos em grupos de teste durante a execução dos testes de utilização.

O que significa conformidade?

A conformidade com uma norma significa que cumpre ou satisfaz os "requisitos" da norma. Nas WCAG 2.0, os "requisitos" são os Critérios de Sucesso. Para estar em conformidade com as WCAG 2.0, necessita de cumprir o Critério de Sucesso, ou seja, não pode existir nenhum conteúdo que infrinja o Critério de Sucesso.

Nota: Isto significa que se não existir nenhum conteúdo ao qual se aplique um critério de sucesso, este é cumprido.

A maioria das normas tem apenas um nível de conformidade. Para incluir diferentes situações que possam necessitar ou permitir níveis mais elevados de acessibilidade do que outras, as WCAG 2.0 têm três níveis de conformidade e, por conseguinte, três níveis de Critérios de Sucesso.

Noções sobre Requisitos de Conformidade

Existem cinco requisitos que têm de ser cumpridos para que o conteúdo seja classificado como estando em "conformidade" com as WCAG 2.0. Esta secção fornece notas breves sobre esses requisitos. Esta secção será aumentada ao longo do tempo para abordar questões que possam surgir ou para fornecer novos exemplos de formas de cumprir os diferentes requisitos de conformidade.

Noções sobre o Requisito 1

1. Nível de Conformidade: Um dos seguintes níveis de conformidade é inteiramente cumprido.

  • Nível A: Para obter a conformidade de Nível A (o nível mínimo de conformidade, a página Web cumpre todos os Critérios de Sucesso de Nível A, ou é fornecida uma versão alternativa em conformidade .

  • Nível AA: Para obter a conformidade de Nível AA, a página Web cumpre todos os Critérios de Sucesso de Nível A e AA, ou é fornecida uma versão alternativa em conformidade de Nível AA.

  • Nível AAA: Para obter a conformidade de Nível AAA, a página Web cumpre todos os Critérios de Sucesso de Nível A, AA e AAA, ou é fornecida uma versão alternativa em conformidade de Nível AAA.

Nota 1: Embora só se possa obter conformidade com os níveis acima referidos, os autores são encorajados a comunicar (nas reivindicações) quaisquer progressos no sentido de cumprir os critérios de sucesso a partir de todos os níveis para além do nível de conformidade alcançado.

Nota 2: Não recomendamos que, como regra geral, seja necessária conformidade de Nível AAA para sítios da Web completos, uma vez que não é possível cumprir todos os Critérios de Sucesso de Nível AAA para alguns conteúdos.

O primeiro requisito é sobre os níveis de conformidade. Basicamente, indica se toda a informação numa página está em conformidade ou se existe uma versão alternativa em conformidade disponível a partir da página. O requisito também explica que não é possível qualquer conformidade sem cumprir, no mínimo, todos os Critérios de Sucesso de Nível A.

A nota refere que os autores são encorajados a irem além da conformidade com um determinado nível e a concluírem, e comunicarem se assim o desejarem, qualquer progresso no que respeita a níveis de conformidade mais elevados.

Consulte também as Noções sobre Versões Alternativas em Conformidade, que inclui técnicas para fornecer Versões Alternativas em Conformidade.

Noções sobre o Requisito 2

2. Páginas completas: A conformidade (e nível de conformidade) destina-se apenas a páginas Web completas, e não pode ser obtida se parte da página Web for excluída.

Nota 1: Para efeitos de determinação da conformidade, as alternativas a parte do conteúdo de uma página são consideradas como parte dessa mesma página, quando as alternativas puderem ser obtidas directamente a partir da página, por exemplo, uma descrição extensa ou uma apresentação alternativa em vídeo.

Nota 2: Os autores de páginas Web que não possam cumprir os requisitos de conformidade devido a conteúdo fora do seu controlo poderão apresentar uma Declaração de Conformidade Parcial.

Esta situação requer simplesmente que toda a página esteja em conformidade. Não podem ser feitas declarações sobre "parte de uma página em conformidade".

Por vezes, para obter informações sobre uma página, a informação suplementar pode estar disponível a partir de outra página. O atributo longdesc em HTML é um exemplo. Com longdesc, uma descrição extensa de um gráfico pode estar numa página separada, à qual o utilizador pode aceder a partir da página com o gráfico. Isto torna claro que esse conteúdo é considerado parte da página Web, para que o requisito 2 seja cumprido para o conjunto combinado de páginas Web considerado como uma única página Web. As alternativas também podem ser fornecidas na mesma página. Por exemplo, criando um equivalente para um controlo da interface de utilizador.

Nota 1: Devido ao requisito de conformidade 5, uma página com partes que utilizem tecnologias de conteúdo não suportadas por acessibilidade pode ser considerada como estando em conformidade, desde que essas partes não interfiram com o resto da página e todas as informações e funções estejam disponíveis noutra parte da página ou a partir da mesma.

Nota 2: É possível incluir conteúdo que não está em conformidade. Consulte as Noções sobre o Requisito de Conformidade 5.

Noções sobre o Requisito 3

3. Processos completos: Quando uma página Web fizer parte de uma série de páginas Web que apresentam um processo (i.e., uma sequência de passos necessários para executar uma actividade), todas as páginas Web no processo devem estar em conformidade com o nível específico ou com um nível superior. (Não é possível obter conformidade com um determinado nível se uma das páginas do processo não estiver em conformidade com esse nível ou com um nível superior.)

Exemplo: Uma loja online tem uma série de páginas que são utilizadas para seleccionar e comprar produtos. Todas as páginas da série, desde o início ao fim (checkout) cumprem os requisitos de conformidade para que qualquer página que faça parte do processo possa estar em conformidade.

Esta situação impede que uma página Web que faça parte de um processo maior seja considerada como estando em conformidade se todo o processo não estiver. Isto impede que um sítio da Web de compras seja classificado como estando em conformidade se a saída (checkout) ou outras funcionalidades do sítio da Web que façam parte do processo de compras não estiverem em conformidade.

Noções sobre o Requisito 4

4. Apenas Modos de Utilizar Tecnologias Suportados por Acessibilidade: Apenas os modos suportados por acessibilidade de utilizar tecnologias são dependentes para cumprir os critérios de sucesso. As informações ou funcionalidades fornecidas de um modo que não seja suportado por acessibilidade estão também disponíveis num modo suportado por acessibilidade. (Consulte as Noções sobre suporte por acessibilidade.)

Este requisito de conformidade é explicado abaixo nas Noções sobre Suporte por Acessibilidade.

Noções sobre o Requisito 5

5. Não-Interferência: Caso as tecnologias sejam utilizadas de um modo que não seja suportado por acessibilidade, ou se não forem utilizadas em conformidade, isso não impede que os utilizadores acedam ao resto da página. Além disso, a página Web, como um todo, continua a cumprir os requisitos de conformidade nas seguintes situações:

  1. quando uma tecnologia que não seja dependente for activada num agente de utilizador,

  2. quando uma tecnologia que não seja dependente for desactivada num agente de utilizador, e

  3. quando uma tecnologia que não seja dependente não for suportada por um agente de utilizador

Além disso, os seguintes critérios de sucesso aplicam-se a todos os conteúdos da página, incluindo conteúdos que não são, de outra forma, dependentes para cumprir requisitos de conformidade, visto que o incumprimento destes requisitos poderá interferir com a utilização da página:

  • 1.4.2 - Controlo de Áudio,

  • 2.1.2 - Sem Bloqueio de Teclado,

  • 2.3.1 - Três Flashes ou Abaixo do Limite, e

  • 2.2.2 - Colocar em Pausa, Parar, Ocultar.

Basicamente, isto significa que as tecnologias que não suportadas por acessibilidade podem ser utilizadas, desde que todas as informações também estejam disponíveis utilizando tecnologias suportadas por acessibilidade e desde que o material não suportado por acessibilidade não interfira.

As tecnologias que não são suportadas por acessibilidade podem ser utilizadas, ou as tecnologias suportadas por acessibilidade podem ser utilizadas de uma forma sem estar em conformidade, desde que todas as informações estejam disponíveis utilizando tecnologias suportadas por acessibilidade, de uma forma que esteja em conformidade, e desde que o material não suportado por acessibilidade não interfira.

Existem quatro situações que lidam particularmente com problemas de interferência na utilização da página, que estão aqui incluídas numa nota. Uma nota sobre cada uma das situações indica que estes Critérios de Sucesso necessitam de ser cumpridos para todo o conteúdo, incluindo conteúdo criado utilizando tecnologias que não são suportadas por acessibilidade.

Exemplo: Uma página Web inclui uma nova tecnologia de gráficos interactivos denominada "ZAP". Embora a ZAP seja suportada por acessibilidade, as informações apresentadas na ZAP também são apresentadas na página em HTML, como tal a ZAP não é dependente. Desta forma, esta página não cumpriria o requisito de conformidade 1. Contudo, se o utilizador tentar utilizar a tecla de tabulação para percorrer o conteúdo da ZAP, o foco passa para o objecto da ZAP e permanece aí. Uma vez no interior, não há nada que o utilizador possa fazer para retirar novamente o foco. Assim, os utilizadores de teclado não podem utilizar a metade inferior da página. O conteúdo da ZAP fica em modo flash contínuo a velocidades diferentes e não pára. Como tal, as pessoas com défice de atenção distraem-se e as pessoas com fotossensibilidade podem ter ataques epilépticos. O requisito de conformidade 5 evita que situações como estas sejam possíveis numa página em conformidade.

Noções sobre Reivindicações de Conformidade

Não é necessário fazer qualquer reivindicação de conformidade para alcançar a conformidade. Contudo, se alguém fizer uma reivindicação, as regras têm de ser seguidas.

Por vezes, uma pessoa pode pretender fazer uma reivindicação apenas para o conteúdo adicionado após uma determinada data. Ou uma pessoa pode pretender reivindicar conformidade com as WCAG 1.0 para conteúdo até uma determinada data e com as WCAG 2.0 para conteúdo criado ou modificado após essa data. Não existem quaisquer proibições nas WCAG 2.0 para nenhuma dessas práticas, desde que seja claro que páginas reivindicam conformidade para que versão das WCAG.

Nota 1: Ao falar sobre tecnologias que são "dependentes", estamos a falar sobre tecnologias de conteúdo da Web (HTML, CSS, JavaScript, etc.), não sobre agentes de utilizador (browsers, tecnologias de apoio, etc.).

Nota 2: Normalmente, as reivindicações de conformidade não se encontram em cada página Web no âmbito da conformidade.

Informações sobre quaisquer passos adicionais efectuados que ultrapassam os Critérios de Sucesso

Um dos componentes opcionais de uma reivindicação de conformidade é "Informações sobre quaisquer passos adicionais efectuados que ultrapassam os Critérios de Sucesso para melhorar a acessibilidade". Isto pode incluir Critérios de Sucesso adicionais que foram cumpridos, técnicas de tipo aconselhada que foram implementadas, informações sobre quaisquer protocolos adicionais utilizados para ajudar o acesso a pessoas com determinadas incapacidades ou necessidades, etc. Quaisquer informações que possam ser úteis para a compreensão da acessibilidade das páginas podem ser incluídas.

Utilização de metadados para comunicar reivindicações de conformidade

A forma mais útil de ligar reivindicações de conformidade a conteúdo seria fazê-lo num formato legível por máquina normal. Quando esta prática for difundida, as ferramentas de procura ou os agentes de utilizador especiais poderão utilizar estas informações para localizar e fornecer conteúdo mais acessível ou para que os agentes de utilizador possam ajustar o conteúdo. Existe uma série de opções baseadas em metadados em desenvolvimento para fazer reivindicações, e os autores e criadores de ferramentas são encorajados a suportá-las.

Além disso, os metadados podem ser utilizados para comunicar a conformidade com cada um dos Critérios de Sucesso, assim que a conformidade de Nível A tiver sido alcançada.

Existem também formatos de comunicação programáticos, tais como EARL (Evaluation and Report Language), que estão a ser desenvolvidos, que podem fornecer formatos legíveis por máquina para obter informações detalhadas sobre conformidade. À medida que os formatos de comunicação forem formalizados e o respectivo suporte se vai desenvolvendo, os formatos de comunicação serão aqui documentados.

Exemplos de Reivindicações de Conformidade

Exemplos de Componentes Necessários de Reivindicações de Conformidade

Exemplo 1: A 20 de Setembro de 2009, todas as páginas Web em http://www.example.com estarão em conformidade com as Directrizes de Acessibilidade para o Conteúdo da Web 2.0 em http://www.w3.org/TR/2006/REC-WCAG20-20081211/. Conformidade de Nível A.

  • O conjunto documentado de tecnologias de conteúdo suportadas por acessibilidade dependente para esta reivindicação é um subconjunto de ISA- AsCTset#1-2008 em http://ISA.example.gov/AsCTsets/AS2-2008.

Exemplo 2: (utilizando uma expressão habitual) A 12 de Agosto de 2009, as páginas que correspondem ao padrão http://www.example.com/(marketing|sales|contact)/.* estarão em conformidade com as Directrizes de Acessibilidade para o Conteúdo da Web 2.0 em http://www.w3.org/TR/2006/REC-WCAG20-20081211/. Conformidade de Nível AA.

  • As tecnologias das quais este conteúdo "depende" são: XHTML 1.0 Transitional, CSS 2.0 e JavaScript 1.2.

Exemplo 3: (utilizando a lógica booleana) A 6 de Janeiro de 2009, http://example.com/ E NÃO (http://example.com/archive/ OU http://example.com/publications/archive/) está em conformidade com as Directrizes de Acessibilidade para o Conteúdo da Web 2.0 em http://www.w3.org/TR/2006/REC-WCAG20-20081211/. Conformidade de Nível AA.

  • O conjunto documentado de tecnologias de conteúdo suportadas por acessibilidade dependente para esta reivindicação inclui XHTML 1.0 e SMIL de ISA- AsCTset#1-2008 em http://ISA.example.gov/AsCTsets/AS2-2008.

Exemplos de Reivindicações de Conformidade incluindo componentes opcionais

Exemplo 1: A 5 de Maio de 2009, a página "G7: Uma Introdução" http://telcor.example.com/nav/G7/intro.html estará em conformidade com as Directrizes de Acessibilidade para o Conteúdo da Web 2.0 em http://www.w3.org/TR/2006/REC-WCAG20-20081211/. Conformidade de Nível AA.

  • Os seguintes Critérios de Sucesso adicionais também foram cumpridos: 1.1.2, 1.2.5 e 1.4.3.

  • O conjunto documentado de tecnologias de conteúdo suportadas por acessibilidade utilizado para esta reivindicação é AsCTset#1-2006 em http://UDLabs.org/AsCTset#1-2006.html.

  • As tecnologias das quais este conteúdo "depende" são: XHTML 1.0 (Strict) e Real Video.

  • As tecnologias que este conteúdo "utiliza, mas das quais não depende" são: JavaScript 1.2, CSS2.

Exemplo 2: A 21 de Junho de 2009, todo o conteúdo que comece com o URI http://example.com/nav e http://example.com/docs estará em conformidade com as Directrizes de Acessibilidade para o Conteúdo da Web 2.0 em http://www.w3.org/TR/2006/REC-WCAG20-20081211/. Conformidade de Nível AAA.

  • O conjunto documentado de tecnologias de conteúdo suportadas por acessibilidade utilizado para esta reivindicação é SMITH- AsCTset#2-2008 em http://smithreports.example.com/AsCTsets/AS2-2008.

  • As tecnologias das quais este conteúdo "depende" são: XHTML 1.0 (Strict), CSS2, JavaScript 1.2, JPEG, PNG.

  • Os agentes de utilizador, incluindo as tecnologias de apoio, com os quais este conteúdo foi testado, podem ser encontrados em http://example.com/docs/WCAG20/test/technologies.html.

Exemplo 3: A 23 de Março de 2009, todo o conteúdo disponível no servidor em http://www.wondercall.example.com está em conformidade com as Directrizes de Acessibilidade para o Conteúdo da Web 2.0 em http://www.w3.org/TR/2006/REC-WCAG20-20081211/. Conformidade de Nível A.

  • A tecnologia da qual este conteúdo "depende" é: HTML 4.01.

  • As tecnologias que este conteúdo "utiliza, mas das quais não depende" são: CSS2 e gif.

  • Este conteúdo foi testado utilizando os seguintes agentes de utilizador e tecnologias de apoio: Firefox 1.5 no Windows Vista com Screenreader X 4.0, Firefox 1.5 no Windows XP SP 2 com Screenreader X 3.5, IE 6.0 no Windows 2000 SP4 com Screenreader Y 5.0, IE 6.0 no Windows 2000 SP4 com Screenreader Z 2.0 e Firefox 1.5 no Windows XP SP2 com Screenreader X 4.0, Safari 2.0 com OS X 10.4.

Técnicas para Reivindicações de Conformidade

Técnicas de Tipo Aconselhada

  • Apresentar uma reivindicação de conformidade para as WCAG 2.0 em elementos Dublin Core (futuro link)

Noções sobre os Níveis de Conformidade

Primeiro, existe uma série de condições que têm de ser cumpridas para que um Critério de Sucesso seja incluído. Estas incluem:

  1. Todos os Critérios de Sucesso têm de ser problemas de acesso importantes para as pessoas com incapacidades que abordam problemas que ultrapassam os problemas de utilização que podem ser enfrentados por todos os utilizadores. Por outras palavras, o problema de acesso tem de originar um problema proporcionalmente maior para pessoas com incapacidades do que para pessoas sem incapacidades para ser considerado um problema de acessibilidade (e abrangido por estas directrizes de acessibilidade).

  2. Todos os Critérios de Sucesso têm igualmente de ser testáveis. Isto é importante, uma vez que, de outra forma, não seria possível determinar se uma página cumpriu ou falhou no cumprimento dos Critérios de Sucesso. Os Critérios de Sucesso podem ser testados através de uma combinação de avaliação automática e humana, desde que seja possível determinar se um Critério de Sucesso foi cumprido com um elevado nível de confiança.

O grupo de trabalho atribuiu um dos três níveis de conformidade a cada Critério de Sucesso depois de levar em consideração uma vasta gama de problemas de interacção. Alguns dos factores comuns avaliados ao definir o nível incluem:

  • se o Critério de Sucesso é essencial (por outras palavras, se o Critério de Sucesso não for cumprido, nem a tecnologia de apoio pode tornar o conteúdo acessível)

  • se é possível cumprir o Critério de Sucesso para todos os sítios da Web e tipos de conteúdo aos quais se aplicam os Critérios de Sucesso (por ex., diferentes tópicos, tipos de conteúdo, tipos de tecnologia Web)

  • se o Critério de Sucesso necessita de conhecimentos que podem ser razoavelmente alcançados pelos criadores do conteúdo (ou seja, o conhecimento e a capacidade para cumprir os Critérios de Sucesso podem ser alcançados numa semana de formação ou menos)

  • se o Critério de Sucesso impõe limites no "aspecto" e/ou funcionamento da página Web (limites no funcionamento, apresentação, liberdade de expressão, design ou estética que os Critérios de Sucesso poderão colocar aos autores).

  • se não existem soluções no caso de os Critérios de Sucesso não serem cumpridos

Noções sobre Suporte por Acessibilidade

A maioria dos Critérios de Sucesso fala sobre fornecer acessibilidade através de tecnologias de apoio ou funcionalidades de acessibilidade especiais em agentes de utilizador convencionais (por exemplo, uma opção "mostrar legendas" num leitor de multimédia). Ou seja, os Critérios de Sucesso necessitam que seja efectuado algo no conteúdo da Web que possibilite às tecnologias de apoio apresentar com êxito as informações do conteúdo ao utilizador. Por exemplo, uma imagem na qual é suposto clicar para passar para um tópico não estaria acessível a uma pessoa cega, a menos que fossem fornecidas alternativas em texto para a imagem de uma forma que os agentes de utilizador, incluindo as tecnologias de apoio, pudessem encontrá-las e apresentá-las. Aqui o fundamental é que a alternativa em texto tem de ser incluída de uma forma que os agentes de utilizador, incluindo as tecnologias de apoio, consigam compreendê-la e utilizá-la de uma forma que seja "Suportada por Acessibilidade".

Outro exemplo seria um controlo personalizado incluído numa página Web. Neste caso, um agente de utilizador normal não poderia apresentar uma alternativa ao utilizador. Contudo, se as informações sobre o controlo, incluindo o nome, a função, o valor, a forma como é definido, etc., forem fornecidas de uma forma que a tecnologia de apoio possa compreender e controlar, os utilizadores com tecnologias de apoio poderão utilizar estes controlos.

Quando são introduzidas novas tecnologias, são necessários dois passos para as pessoas que utilizam tecnologias de apoio poderem aceder às mesmas. Primeiro, as tecnologias têm de ser concebidas de uma forma que os agentes de utilizador, incluindo as tecnologias de apoio, possam aceder a todas as informações que necessitam para apresentar o conteúdo ao utilizador. Segundo, poderá ser necessário voltar a conceber ou modificar os agentes de utilizador e as tecnologias de apoio para ser possível trabalhar com estas novas tecnologias.

"Suportado por Acessibilidade" significa que ambos os passos foram efectuados e que a tecnologia irá funcionar com agentes de utilizador e tecnologias de apoio.

Nível de Suporte de Tecnologia de Apoio Necessário para "Suporte por Acessibilidade"

Este tópico lança a questão sobre quantas ou quais as tecnologias de apoio que têm de suportar uma tecnologia Web para que esta seja considerada como sendo "suportada por acessibilidade". O Grupo de Trabalho das WCAG e o W3C não especificam quais ou quantas tecnologias de apoio têm de suportar uma tecnologia Web para esta ser classificada como sendo suportada por acessibilidade. Este é um tópico complexo e que varia consoante o ambiente e o idioma. Este tópico ainda necessita de uma discussão internacional. Algumas notas para ajudar a compreender e a explorar este tópico são:

  1. O suporte por acessibilidade das tecnologias Web varia consoante o ambiente

    • Numa empresa onde são fornecidos determinados agentes de utilizador e tecnologias de apoio a todos funcionários, as tecnologias Web poderão necessitar apenas de ser suportadas por esses agentes de utilizador e tecnologias de apoio mais antigas.

    • O conteúdo colocado numa página Web pública pode necessitar de funcionar com um maior número de agentes de utilizador e tecnologias de apoio.

  2. O suporte por acessibilidade das tecnologias Web varia consoante o idioma (e dialecto)

    • Existem diferentes níveis de suporte de tecnologias de apoio mais antigas em diferentes idiomas e países. Alguns ambientes e países podem fornecer tecnologias de apoio gratuitas.

  3. As tecnologias novas não serão suportadas nas tecnologias de apoio mais antigas

    • Obviamente, uma nova tecnologia não pode ser suportada por todas as tecnologias de apoio antigas, como tal não é possível exigir que uma tecnologia seja suportada por todas as tecnologias de apoio.

  4. Normalmente, o suporte para uma única tecnologia de apoio mais antiga não é suficiente

    • Normalmente, o suporte através de apenas uma tecnologia de apoio (para uma determinada incapacidade) não é suficiente, especialmente se a maioria dos utilizadores que necessitam dessa tecnologia para aceder ao conteúdo não tiver e não puder ter essa tecnologia de apoio. Aqui, a excepção seria as informações distribuídas aos funcionários da empresa apenas nos locais onde todos tiverem uma tecnologia de apoio (desse tipo).

  5. Actualmente, a tecnologia de apoio acessível ao público em geral costuma ser muito fraca

    • Deve ser evitada a criação de conteúdo que não possa ser utilizado pelo público em geral com incapacidades. Na maioria dos casos, o custo das tecnologias de apoio é demasiado elevado para os utilizadores que necessitam delas. Da mesma forma, as capacidades das tecnologias de apoio gratuitas ou de baixo custo costumam ser tão fracas, que o conteúdo da Web não pode ser limitado de uma maneira realista a este denominador comum inferior (ou até mesmo intermédio). Esta situação cria um dilema bastante difícil que necessita de ser resolvido.

Por conseguinte, o Grupo de Trabalho limitou-se a definir o que constitui o suporte e difere a decisão sobre quantas e quais as tecnologias de apoio que têm de suportar uma tecnologia para a comunidade e entidades mais próximas de cada uma das situações que definem os requisitos para uma organização, compra, comunidade, etc.

O Grupo de Trabalho fomenta mais debate sobre este tópico na sociedade, uma vez que esta falta de tecnologias de apoio normalmente disponíveis, mas robustas, é um problema que afecta negativamente os utilizadores, criadores de tecnologia e autores.

Definição Técnica de "Suporte por Acessibilidade"

Basicamente, uma tecnologia de conteúdo da Web é "suportada por acessibilidade" quando as tecnologias de apoio dos utilizadores funcionam com as tecnologias Web E quando as funcionalidades de acessibilidade das tecnologias convencionais funcionam com a tecnologia. Especificamente, para uma tecnologia ser considerada como sendo suportada por acessibilidade, o seguinte tem de ser verdade:

suportado por acessibilidade

suportado pelas tecnologias de apoio dos utilizadores, bem como pelas características de acessibilidade existentes nos browsers e outros agentes de utilizador

Para uma utilização de uma tecnologia de conteúdo da Web ser considerada como sendo suportada por acessibilidade (ou característica de uma tecnologia), têm de ser cumpridos ambos os pontos 1 e 2 para uma tecnologia de conteúdo da Web (ou característica):

  1. A forma como a tecnologia de conteúdo da Web é utilizada tem de ser suportada por tecnologia de apoio dos utilizadores (TA). Isto significa que a interoperabilidade da utilização da tecnologia foi testada com a tecnologia de apoio dos utilizadores no(s) idioma(s) humano(s) do conteúdo,

    E

  2. A tecnologia de conteúdo da Web tem de ter agentes de utilizador suportados por acessibilidade disponíveis para os utilizadores. Isto significa que, no mínimo, uma das seguintes quatro afirmações é verdadeira:

    1. A tecnologia é suportada de forma nativa em agentes de utilizador largamente distribuídos, que também são suportados por acessibilidade (tal como HTML e CSS);

      OU

    2. A tecnologia é suportada num plug-in largamente distribuído, que também é suportado por acessibilidade;

      OU

    3. O conteúdo está disponível num ambiente fechado, tal como uma universidade ou rede empresarial, em que o agente de utilizador requerido pela tecnologia e utilizado pela organização também é suportado por acessibilidade;

      OU

    4. Os agentes de utilizador que suportam a tecnologia são suportados por acessibilidade e estão disponíveis para download ou compra de forma a:

      • não custar mais a uma pessoa com incapacidades do que a uma pessoa sem incapacidades e

      • ser tão fácil de encontrar e obter para uma pessoa com incapacidade como é para uma pessoa sem incapacidade.

Nota 1: O Grupo de Trabalho WCAG e o W3C não especificam o suporte por tecnologias de apoio necessário para uma determinada utilização de uma tecnologia Web ser classificada como suportada por acessibilidade. (Consulte o Nível de Suporte por Tecnologia de Apoio Necessário para "Suporte por Acessibilidade".)

Nota 2: As tecnologias Web podem ser utilizadas sem serem suportadas por acessibilidade, desde que não sejam dependentes e que a página, como um todo, cumpra os requisitos de conformidade, incluindo o Requisito de Conformidade 4: Apenas Modos de Utilizar Tecnologias Suportados por Acessibilidade e o Requisito de Conformidade 5: Não-Interferência.

Nota 3: Quando uma Tecnologia da Web é utilizada de um modo "suportado por acessibilidade", não implica que toda a tecnologia ou todas as utilizações da tecnologia sejam suportadas. A maioria das tecnologias, incluindo HTML, não têm suporte para, no mínimo, uma característica ou utilização. As páginas só estão em conformidade com as WCAG, se as utilizações da tecnologia que são suportadas por acessibilidade puderem ser dependentes, de forma a cumprir os requisitos das WCAG.

Nota 4: Ao mencionar tecnologias de conteúdo da Web que tenham várias versões, é necessário especificar as versões suportadas.

Nota 5: Uma das formas para os autores localizarem utilizações de uma tecnologia que são suportadas por acessibilidade, é consultar compilações de utilizações que estão documentadas como sendo suportadas por acessibilidade. (Consulte as Noções sobre Utilizações da Tecnologia Web Suportadas por Acessibilidade.) Os autores, as empresas, os fornecedores de tecnologia, ou outros, podem documentar modos de utilizar tecnologias de conteúdo da Web suportados por acessibilidade. Contudo, é necessário que todos os modos de utilização de tecnologias na documentação cumpram a definição de tecnologias de conteúdo da Web suportadas por acessibilidade apresentada acima.

Noções sobre Utilizações de Tecnologia Web Suportadas por Acessibilidade

Normalmente, cada um dos autores não conseguirá efectuar todos os testes necessários para determinar que formas de utilizar que tecnologias Web são realmente suportadas por que versões de tecnologias de apoio e agentes de utilizador. Por conseguinte, os autores podem basear-se em compilações publicamente documentadas que documentem que tecnologias de apoio suportam que formas de utilizar que tecnologias Web. Por "publicamente", não queremos dizer que a compilação e a sua documentação sejam necessariamente criadas por uma agência pública, apenas que estão disponíveis ao público. Qualquer pessoa pode criar compilações publicamente documentadas de "Utilizações de Tecnologia Web e respectivo Suporte por Acessibilidade". As pessoas podem criar compilações e atribuir-lhes nomes através dos quais os autores podem consultá-las. Desde que sejam publicamente documentadas, os autores ou clientes, etc. podem facilmente seleccionar as utilizações que melhor satisfaçam as suas necessidades. Os clientes, ou outros, podem escolher, a qualquer momento, as tecnologias que se adeqúem ao seu ambiente ou idioma, e especificar as que pretendem utilizar na criação do conteúdo. Os autores são fortemente encorajados a utilizar fontes que tenham uma reputação estabelecida no que respeita a precisão e utilidade. Os criadores de tecnologia são fortemente encorajados a fornecer informações sobre o suporte por acessibilidade para as suas tecnologias. O Grupo de Trabalho prevê que apenas os documentos que forneçam informações precisas e beneficiem tanto os autores como os utilizadores alcançarão o reconhecimento do mercado a longo prazo.

Não existe qualquer requisito nas WCAG que implique a utilização de uma compilação publicamente documentada ou de apenas utilizações de tecnologia dessa compilação. As compilações publicamente documentadas são descritas apenas como um método para tornar um aspecto de conformidade, de outra forma crucial, mas complicado, mais fácil para os autores que não são especialistas em suporte de tecnologias de apoio (ou quem apenas não tem tempo para acompanhar os avanços do suporte convencional e das tecnologias de apoio).

Os autores, as empresas ou outros podem pretender criar e utilizar as suas próprias compilações de utilizações de tecnologias suportadas por acessibilidade e essa situação é permitida no cumprimento das WCAG. Contudo, os clientes, as empresas ou outros podem especificar que sejam utilizadas as utilizações de tecnologia de uma compilação pública ou personalizada. Consulte Anexo B - Documentar Suporte por Acessibilidade para Utilizações de uma Tecnologia Web.

Declarações de Suporte por Acessibilidade

Os exemplos de formas nas quais uma reivindicação de conformidade pode documentar o seu suporte por acessibilidade incluem:

  1. Esta reivindicação de conformidade cumpre o requisito de suporte por acessibilidade com base nos testes do conteúdo no(s) idioma(s) do conteúdo com os Agentes de Utilizador A, B e C e as Tecnologias de Apoio X, Y e Z. Isto significa que foram cumpridos todos os critérios de sucesso de nível A das WCAG 2.0 utilizando estes produtos.

  2. Esta reivindicação de conformidade cumpre o requisito de suporte por acessibilidade para o(s) idioma(s) do conteúdo com base na utilização de técnicas e notas do agente de utilizador documentadas em Técnicas para as WCAG 2.0. Também se baseia na documentação do suporte por acessibilidade para as tecnologias (das quais dependemos para a conformidade), disponível em "Documentação do Suporte por Acessibilidade da Organização XYZ".

  3. Esta reivindicação de conformidade cumpre o requisito de suporte por acessibilidade para o(s) idioma(s) do conteúdo com base na utilização da tecnologia Z, conforme documentado em "Técnicas suportadas por acessibilidade da tecnologia Z para as WCAG 2.0".

  4. Esta reivindicação de conformidade cumpre o requisito de suporte por acessibilidade para o idioma do conteúdo com base na utilização de Directrizes de Acessibilidade para a Tecnologia A e Directrizes de Acessibilidade para a Tecnologia B. Para obter informações sobre suporte de tecnologias de apoio e agentes de utilizador, consulte "Requisitos de Suporte por Acessibilidade do Produto XYZ", documentados nestas directrizes.

Noções sobre "Determinado de Forma Programática"

Vários Critérios de Sucesso necessitam que o conteúdo (ou determinados aspectos do conteúdo) possa ser "determinado de forma programática". Isto significa que o conteúdo é apresentado de modo a que os agentes de utilizador, incluindo as tecnologias de apoio, possam aceder às informações.

Para que o conteúdo criado com tecnologias Web (tais como HTML, CSS, PDF, GIF, MPEG, Flash, etc.) esteja acessível a pessoas com diferentes tipos de incapacidades, é essencial que as tecnologias utilizadas funcionem com as funcionalidades de acessibilidade dos browsers e outros agentes de utilizador, incluindo as tecnologias de apoio. Para que o conteúdo cumpra um Critério de Sucesso que exija que o mesmo seja "determinado de forma programática", é necessário implementá-lo utilizando uma tecnologia que tenha suporte de tecnologia de apoio.

O conteúdo que pode ser "determinado de forma programática" pode ser transformado (por agentes de utilizador, incluindo TA) em diferentes formatos sensoriais (por ex., visual, auditivo) ou estilos de apresentação necessários a cada um dos utilizadores. Se as tecnologias de apoio existentes não forem capazes de o fazer, não é possível dizer que as informações são determinadas de forma programática.

O termo foi criado para permitir que o grupo de trabalho identificasse claramente os locais onde as informações tinham de estar acessíveis às tecnologias de apoio (e outros agentes de utilizador que funcionem como ajudas de acessibilidade) sem especificar exactamente como é necessário fazê-lo. Isto é importante devido à natureza em constante mudança das tecnologias. O termo permite às directrizes identificar o que necessita de ser "determinado de forma programática" para cumprir as directrizes e ter documentos separados (os documentos Como Cumprir, Noções sobre e Técnicas), que podem ser actualizados ao longo do tempo, indicar as técnicas específicas que irão funcionar e serem suficientes a qualquer momento, com base no suporte de tecnologia de apoio e agente de utilizador.

"Suportado por Acessibilidade" versus "Determinado de Forma Programática"

"Suportado por Acessibilidade" refere-se a suporte através de agentes de utilizador (incluindo as tecnologias de apoio) de modos específicos de utilizar tecnologias Web. As utilizações de tecnologias Web que são suportadas por acessibilidade irão funcionar com tecnologias de apoio e funcionalidades de acesso em agentes de utilizador convencionais (browsers e leitores, etc.).

"Determinado de forma programática" refere-se às informações no Conteúdo da Web. Se as tecnologias que são suportadas por acessibilidade forem utilizadas correctamente, as tecnologias de apoio e os agentes de utilizador podem aceder às informações no conteúdo (i.e., determinar de forma programática as informações no conteúdo) e apresentá-las ao utilizador.

Os dois conceitos funcionam em conjunto para garantir que as informações possam ser apresentadas ao utilizador através de agentes de utilizador, incluindo as tecnologias de apoio. Os autores têm de basear-se apenas em utilizações de tecnologias que sejam suportadas por acessibilidade - e têm de as utilizar correctamente para que as informações sejam determináveis de forma programática - e apresentáveis, através de tecnologias de apoio e agentes de utilizador, a utilizadores com incapacidades.

Noções sobre Versões Alternativas em Conformidade

O requisito de conformidade 1 permite que páginas que não estejam em conformidade sejam incluídas no âmbito da conformidade, desde que tenham uma "versão alternativa em conformidade". A versão alternativa em conformidade é definida como:

versão alternativa em conformidade

versão que

  1. está em conformidade com o nível designado,

  2. fornece as mesmas informações e a funcionalidade no mesmo idioma humano,

  3. está tão actualizada como o conteúdo que não está em conformidade, e

  4. para a qual, no mínimo, uma das seguintes afirmações é verdadeira:

    1. é possível aceder à versão em conformidade a partir da página que não está em conformidade, através de um mecanismo suportado por acessibilidade , ou

    2. só é possível aceder à versão que não está em conformidade a partir da versão em conformidade, ou

    3. só é possível aceder à versão que não está em conformidade a partir de uma página em conformidade, que também forneça um mecanismo para aceder à versão em conformidade

Nota 1: Nesta definição, a expressão "só é possível aceder" significa que existe algum mecanismo, tal como um redireccionamento condicional, que impede um utilizador de "chegar" (carregar) à página que não está em conformidade, a menos que o utilizador tenha acabado de vir da versão em conformidade.

Nota 2: Não é necessário que a versão alternativa corresponda, página a página, à original (por ex., a versão alternativa em conformidade pode consistir em várias páginas).

Nota 3: Se estiverem disponíveis versões de várias línguas, serão necessárias versões alternativas em conformidade para cada língua oferecida.

Nota 4: Podem ser fornecidas versões alternativas para acomodar diferentes ambientes de tecnologia ou grupos de utilizadores. Cada versão deverá estar o mais em conformidade possível. É necessária uma versão em conformidade total, para cumprir o requisito de conformidade 1.

Nota 5: Não é necessário que a versão alternativa em conformidade resida no âmbito de conformidade, nem mesmo no mesmo sítio da Web, desde que esteja tão disponível como a versão que não está em conformidade.

Nota 6: As versões alternativas não devem ser confundidas com o conteúdo suplementar, que suporta a página original e melhora a compreensão.

Nota 7: A definição de preferências de utilizador no conteúdo para produzir uma versão em conformidade é um mecanismo aceitável para aceder a outra versão, desde que o método utilizado para definir as preferências seja suportado por acessibilidade.

Isto garante que todas as informações e toda a funcionalidade que se encontram nas páginas no âmbito da conformidade estejam disponíveis em páginas Web em conformidade.

Porquê permitir versões alternativas?

Por que é que as WCAG permitem que sejam incluídas versões alternativas em conformidade das páginas Web nas reivindicações de conformidade? Ou seja, porquê incluir páginas que não cumprem os Critérios de Sucesso para um nível de conformidade no âmbito da conformidade ou uma reivindicação?

  • Por vezes, as páginas utilizam tecnologias que ainda não são suportadas por acessibilidade. Quando surge uma nova tecnologia, o suporte da tecnologia de apoio pode ficar para trás, ou poderá apenas estar disponível para determinados públicos-alvo. Como tal, os autores poderão não conseguir basear-se na nova tecnologia para todos os utilizadores. Contudo, poderão existir outros benefícios de utilizar a nova tecnologia, por ex., melhor desempenho, uma gama mais vasta de modalidades disponíveis, etc. O requisito da versão alternativa permite aos autores incluir essas páginas Web nos seus sítios da Web, fornecendo uma página alternativa acessível em tecnologias que são suportadas por acessibilidade. Os utilizadores para quem a nova tecnologia é suportada de forma adequada, obtêm os benefícios da nova versão. Os autores olham para o futuro suporte por acessibilidade podem agora cumprir os Critérios de Sucesso com a página da versão alternativa, e trabalhar igualmente com a outra página para integrar o acesso futuro quando o suporte da tecnologia de apoio (TA) estiver disponível.

  • Por uma série de razões, poderá não ser possível modificar determinado conteúdo numa página Web. Por exemplo,

    • Poderá ser difícil incluir uma cópia visual exacta de um documento por motivos legais ou históricos

    • A página Web pode ser incluída num sítio da Web, mas o proprietário do sítio da Web pode não ter os direitos legais para modificar o conteúdo na página original

    • A empresa poderá não ter permissão legal para remover, ou alterar de alguma forma, algo que foi anteriormente publicado.

    • Um autor poderá não ter permissão para alterar um documento de outro departamento, agência ou empresa

  • Por vezes, a melhor experiência para utilizadores com determinados tipos de incapacidades é fornecida pela criação de uma página Web especificamente para incluir essa incapacidade. Numa situação dessas, pode não ser possível ou praticável fazer com que a página Web inclua todas as incapacidades cumprindo todos os Critérios de Sucesso. O requisito das versões alternativas permite que essas páginas especializadas sejam incluídas numa reivindicação de conformidade, desde que exista uma página de "versão alternativa" completamente em conformidade.

  • Muitos sítios da Web dedicados à acessibilidade têm grandes quantidades de documentos herdados. Enquanto as informações foram disponibilizadas em formatos acessíveis, existiram obstáculos de procedimento e uma resistência institucional significativa à remoção destes ficheiros em massa. Algumas organizações, especialmente as governamentais, dão prioridade a processos de publicação tradicionais. Apesar de estas organizações se terem adaptado à publicação na Internet e compreendido a necessidade de formatos acessíveis, ainda mantêm a mentalidade do papel e insistem frequentemente em formatos concebidos para cópia em papel como a versão "principal" (mesmo para documentos "publicados" de forma electrónica). Embora o Grupo de Trabalho ache que estas abordagens deveriam ser desaprovadas, não acha que possam ser proibidas enquanto existirem versões acessíveis facilmente disponíveis.

Uma preocupação ao permitir páginas Web que não cumprem os Critérios de Sucesso é que as pessoas com incapacidades irão encontrar estas páginas que não estão em conformidade, não conseguirão aceder ao respectivo conteúdo, nem encontrar a "versão alternativa em conformidade". Por conseguinte, uma parte essencial do fornecimento das Versões Alternativas é a capacidade de encontrar a página em conformidade (a versão alternativa) a partir da página que não está em conformidade quando esta é encontrada. Como tal, o requisito de conformidade que permite páginas alternativas também exige uma forma para os utilizadores encontrarem a versão acessível entre as versões alternativas.

Tenha em atenção que fornecer uma versão alternativa é uma opção de recurso para a conformidade com as WCAG e que o método preferido de conformidade é tornar todo o conteúdo directamente acessível.

Técnicas para Fornecer uma Versão Alternativa em Conformidade

A parte mais importante de fornecer uma versão alternativa em conformidade é fornecer um mecanismo para encontrá-la a partir da versão que não está em conformidade. Para tal, foram identificados vários métodos diferentes, uma vez que determinadas técnicas poderão nem sempre ser possíveis para tecnologias ou situações específicas. Por exemplo, se o autor tiver o controlo do servidor, existem algumas técnicas eficazes que permitirão aos utilizadores ter sempre a opção previamente. Contudo, na maioria dos casos, o autor poderá não ter o controlo dos serviços no seu servidor da Web. Nestes casos, são fornecidas outras técnicas. Um link na página que não está em conformidade é outra técnica eficaz, mas nem todas as tecnologias que não estão em conformidade suportam links de hipertexto.

Em seguida, são apresentadas as técnicas que foram identificadas até à data. Esperamos que as técnicas adicionais também sejam desenvolvidas ao longo do tempo e serão aqui adicionadas à medida que forem surgindo e que o suporte para estas abordagens através de agentes de utilizador, incluindo as tecnologias de apoio, possa ser demonstrado. Por exemplo, um criador de uma nova tecnologia, à qual determinadas tecnologias de apoio não consigam aceder, pode integrar uma funcionalidade para permitir que essas tecnologias apresentem automaticamente um link aos utilizadores que os possa encaminhar para uma versão alternativa.

Técnicas de Tipo Suficiente para Fornecer Versões Alternativas em Conformidade de Páginas Web

Cada item numerado nesta secção representa uma técnica ou combinação de técnicas que o Grupo de Trabalho das WCAG considera serem de tipo suficiente para fornecer versões alternativas em conformidade.

  1. G136: Fornecer um link no início de uma página Web que não esteja em conformidade que aponte para uma versão alternativa em conformidade

  2. G190: Fornecer um link adjacente ou associado a um objecto que não esteja em conformidade para aceder a uma versão alternativa em conformidade

  3. C29: Utilizar um comutador de estilo para fornecer uma versão alternativa em conformidade (CSS)

  4. SVR2: Utilizar .htaccess para garantir que a única forma de aceder a conteúdo que não esteja em conformidade é a partir de conteúdo em conformidade (SERVIDOR)

  5. SVR3: Utilizar o referenciador HTTP para garantir que a única forma de aceder a conteúdo que não esteja em conformidade é a partir de conteúdo em conformidade (SERVIDOR)

  6. SVR4: Permitir que os utilizadores forneçam preferências para a apresentação de versões alternativas em conformidade (SERVIDOR)

Falhas Comuns Identificadas pelo Grupo de Trabalho

Técnicas Adicionais (de tipo aconselhada) para fornecer versões alternativas em conformidade de páginas Web

  • Fornecer links recíprocos entre versões em conformidade e versões que não estejam em conformidade (futuro link)

  • Excluir conteúdo que não esteja em conformidade dos resultados da procura (futuro link)

  • Utilizar negociação de conteúdo (futuro link)

  • Não apresentar conteúdo que se baseie em tecnologias que não sejam suportadas por acessibilidade quando a tecnologia está desactivada ou não é suportada (futuro link)

  • Utilizar metadados para permitir a localização de uma versão alternativa em conformidade a partir do URI de uma página que não esteja em conformidade (futuro link)

Exemplos de Versões Alternativas em Conformidade

  • Um sítio da Intranet com várias versões.

    Uma grande empresa estava preocupada que a utilização de tecnologias Web emergentes num sítio da Intranet pudesse limitar a sua capacidade de satisfazer as necessidades de vários locais do escritório com diferentes bases de tecnologia e de cada um dos funcionários que utilizam uma grande variedade de agentes de utilizador e tecnologias de apoio. Para resolver esta questão, a empresa criou uma versão alternativa do conteúdo que cumpre todos os Critérios de Sucesso de Nível A utilizando um conjunto mais limitado de utilizações de tecnologias de conteúdo suportadas por acessibilidade. As duas versões têm um link para cada uma delas.

  • Um sítio da Web informativo que garante compatibilidade com versões anteriores.

    Um sítio da Web informativo abrange uma grande variedade de assuntos e pretende que os visitantes encontrem rapidamente os tópicos que procuram. Para tal, o sítio da Web implementou um sistema de menus interactivos que só é suportado na versão mais recente de dois conhecidos agentes de utilizador. Para garantir que os visitantes que não utilizam estes agentes de utilizador específicos continuam a poder utilizar eficazmente o sítio da Web, é apresentado um mecanismo de navegação que não dependa do sistema de menus interactivos aos agentes de utilizador que não suportam a tecnologia mais recente.

Noções sobre "Página Web"

A definição de uma Página Web é:

página Web

um recurso não incorporado a partir de um único URI utilizando HTTP mais quaisquer outros recursos que sejam utilizados na apresentação ou destinados a serem apresentados em conjunto por um agente de utilizador

Nota 1: Embora quaisquer "outros recursos" possam ser apresentados em conjunto com o recurso principal, não seriam necessariamente apresentados em simultâneo.

Nota 2: Para efeitos de conformidade com estas directrizes, um recurso tem de ser "não incorporado" no âmbito da conformidade, de forma a ser considerado uma página Web.

Exemplo 1: Um recurso Web que inclui todas as imagens e multimédia incorporadas.

Exemplo 2: Um programa Web de correio electrónico construído utilizando Asynchronous JavaScript e XML (AJAX). O programa está totalmente alojado em http://example.com/mail, mas inclui uma caixa de entrada, uma área de contactos e um calendário. São fornecidos links ou botões que permitem visualizar a caixa de entrada, os contactos ou o calendário, mas que não alteram o URI da página totalmente.

Exemplo 3: Um portal personalizável, em que os utilizadores podem escolher o conteúdo a visualizar a partir de um conjunto de diferentes módulos de conteúdos.

Exemplo 4: Ao entrar em "http://shopping.example.com/" no seu browser, está a entrar num ambiente de compras interactivo semelhante a um cinema, em que se pode deslocar visualmente numa loja, arrastar produtos das prateleiras ao seu redor e colocá-los num carrinho de compras que surge à sua frente. Ao clicar num produto, este é apresentado com uma folha de especificações ao lado. Isto poderá ser um sítio da Web com apenas uma página, ou apenas uma única página dentro de um sítio da Web.

É importante referir que, nesta norma, o termo "página Web" abrange mais do que páginas estáticas em HTML. O termo "Página Web" foi utilizado nestas directrizes para facilitar a compreensão das mesmas. Mas o significado do termo desenvolveu-se com as tecnologias em constante progresso para abranger uma vasta gama de tecnologias, muitas das quais não sendo de todo "semelhantes a uma página". Inclui também as páginas Web cada vez mais dinâmicas que surgem na Web, incluindo "páginas" que apresentam comunidades interactivas virtuais completas. Por exemplo, o termo "página Web" significa mergulhar numa experiência interactiva semelhante a um cinema, localizada num único URI.

Noções sobre "Alternativas em Texto"

Uma alternativa em texto corresponde a texto utilizado em vez de conteúdo não textual para as pessoas que não conseguem visualizar o conteúdo não textual. O conteúdo não textual inclui imagens, gráficos, applets, ficheiros de áudio, etc. Por exemplo, as pessoas cegas não conseguem visualizar as informações apresentadas numa imagem ou num gráfico. Por conseguinte, é fornecida uma alternativa em texto que permite ao utilizador converter as informações (o texto) em fala. No futuro, ter as informações em texto também permitirá converter as informações em língua gestual, em imagens ou numa forma mais simples de escrita.

Para as pessoas com incapacidades poderem utilizar este texto, o texto tem de ser "determinável de forma programática". Isto significa que o texto tem de poder ser lido e utilizado pelas tecnologias de apoio (e as funcionalidades de acessibilidade dos browsers) utilizadas pelas pessoas com incapacidades.

As pessoas que utilizam tecnologias de apoio também têm de conseguir encontrar estas alternativas em texto quando encontrarem conteúdo não textual que não possam utilizar. Para tal, o texto tem de estar "associado de forma programática" ao conteúdo não textual. Isto significa que o utilizador tem de poder utilizar a sua tecnologia de apoio para encontrar a alternativa em texto (que possa utilizar) quando encontrar conteúdo não textual (que não possa utilizar).

Termos-Chave

conformidade

cumprir todos os requisitos de uma determinada norma, directriz ou especificação

cumpre um critério de sucesso

o critério de sucesso não avalia como 'falso' quando aplicado à página

dependentes (tecnologias que são)

o conteúdo não está em conformidade caso esta tecnologia seja desligada ou não seja suportada

processo

conjunto de acções do utilizador, em que cada acção é necessária para executar uma actividade

Exemplo 1: Uma boa utilização de uma série de páginas Web num sítio da Web de compras requer que os utilizadores visualizem produtos, preços e ofertas alternativos, seleccionem produtos, submetam uma encomenda, forneçam informação sobre o envio e sobre o pagamento.

Exemplo 2: Uma página de registo de conta requer o preenchimento correcto de um teste de Turing antes de poder aceder ao formulário de registo.

tecnologia (conteúdo da Web)

mecanismo de codificação de instruções a serem apresentadas, reproduzidas ou executadas pelos agentes de utilizador

Nota 1: Tal como é utilizado nestas directrizes, "Tecnologia Web" e a palavra "tecnologia" (quando utilizada isoladamente) referem-se às Tecnologias de Conteúdo da Web.

Nota 2: As tecnologias de conteúdo da Web podem incluir linguagens de marcação, formatos de dados, ou linguagens de programação que os autores podem utilizar isoladamente ou em combinação, de forma a criar experiências de utilizador final que variam de páginas Web estáticas a apresentações em multimédia sincronizada e a aplicações da Web dinâmicas.

Exemplo: Alguns exemplos comuns de tecnologias de conteúdo da Web incluem HTML, CSS, SVG, PNG, PDF, Flash e JavaScript.