Categoria: Notícias

Eslovénia usa Internet como tecnologia de apoio à televisão

Rádio e Televisão Eslovena - uma boa prática Web

Figura: à esquerda imagem do noticiário das 19h do dia 3 de março com legendagem fechada. À direita, o mesmo programa mas com intérprete de língua gestual ocupando 1/6 do ecrã. O ecrã principal encontra-se minimizado com uma margem em relação ao ecrã de uns 10% na margem direita e inferior de forma a dar mais espaço de ecrã ao intérprete.

A Rádio e Televisão da Eslovénia (RTV SLO) esteve no passado dia 26 de fevereiro em Portugal no WorkShop – Enabling Accessibility in a Connected World (PDF, 568KB), evento organizado pelo Consórcio HBB4All do qual a RTP também faz parte e do qual foi anfitrião.

Numa Era em que a Internet e a Televisão coabitam, o exemplo que a RTV SLO apresentou no WorkShop dá-nos conta de uma iniciativa da estação pública de televisão Eslovena em que os programas com legendagem e os programas com língua gestual são arquivados na Web. Numa consulta ao arquivo de programas acessíveis da RTV SLO foi possível verificar que o mesmo é composto por mais de 9 mil vídeos e que o mesmo programa está disponível em versão com legendagem e em versão com língua gestual. Neste último, o intérprete de língua gestual é apresentado no ecrã, ocupando sensivelmente 1/6 do mesmo conforme é recomendado, como mínimo, na maioria das diretrizes de acessibilidade existentes.

ERC recomenda as WCAG 2.0 aos Operadores de Televisão

Entidade Reguladora para a Comunicação Social

A ERC – Entidade Reguladora para a Comunicação Social aprovou, em finais de 2014, o Plano Plurianual que define um conjunto de obrigações relativas à acessibilidade dos serviços de programas televisivos e dos serviços audiovisuais a pedido por pessoas com necessidades especiais.

Nesta deliberação destacamos a recomendação 11.8 que abaixo se transcreve e que diz respeito à adoção das Web Content Acceessibility Guidelines do W3C pelos operadores de serviços audiovisuais.

Ler mais sobre ERC recomenda as WCAG 2.0 aos Operadores de Televisão

Iniciativa Nacional em Acessibilidade Web – uma visão retrospetiva

Símbolo de Acessibilidade à Web

Portugal foi o primeiro Estado-Membro a adotar formalmente as WCAG 1.0 do W3C em 26 de agosto de 1999 (RCM nº 97/99 de 26 de agosto).

Em termos legais existem 3 momentos a reter na história da acessibilidade Web em Portugal. O primeiro em 1999 com a RCM n.º 97/99 de 26 de outubro, o segundo em 2007 com a RCM n.º 155/2007 de 2 de outubro e o terceiro em 2011 com a Lei n.º 36/2011 de 21 de junho, complementado em 2012 pela publicação do Regulamento Nacional de Interoperabilidade Digital através da RCM n.º 91/2012 de 8 de novembro.

Em 1999 não se fazia referência explícita às WCAG do W3C. Em 2007 faz-se referência explicita às WCAG 1.0 e em 2012, aquando da publicação do RNID, é feita uma referência explícita à obrigatoriedade de se usarem as WCAG 2.0 do W3C.

Ler mais sobre a Iniciativa Nacional em Acessibilidade Web

Leitura eletrónica em ascensão

Leitores de todas as idades estão a descobrir o poder e a conveniência dos livros eletrónicos. Os resultados de um estudo recente da Pew Research Center mostra que a leitura de e-Books está em ascensão em todos os grupos etários. Ao mesmo tempo, a leitura de livros em papel está em queda. Mais de metade da população americana continua a ler livros físicos, mas a percentagem de leitores de e-Books tem crescido dramaticamente. Quase 1/4 dos leitores com mais de 16 anos dizem ter lido um e-Book em 2012, um crescimento de 16% face a 2011.

Este crescimento na leitura de e-Books coincide com o crescimento da popularidade dos eReaders, tablets, e outros dispositivos. 1/3 desses entrevistados reportaram ter pelo menos um eReader ou um tablet.

À medida que os leitores tomam consciência das coleções digitais disponíveis nas bibliotecas, a popularidade do empréstimo de e-Books continua a subir. Os leitores levantaram mais de 70 milhões de e-Books e áudiolivros das bibliotecas OverDrive em 2012, mais do dobro do que ocorreu em 2011. As bibliotecas da rede OverDrive vêem crescer a circulação digital, mais páginas vistas, mais envolvimento com e-Books, áudiolivros, música e vídeo. Ver mais em Blogue OverDrive: eReading on the rise.

Legendagem em Televisão no Reino Unido – os desafios que faltam

Red Bee Media

Nos seis primeiros meses de 2012, 18 canais no Reino Unido legendaram mais de 90% da sua emissão. Para além disto, 39 canais legendaram entre 70% a 90%.

Com o acréscimo esperado para 2014, fruto das obrigações legais, parece que a batalha da quantidade está ganha. Esta realidade contrasta com o que se passa em toda a Europa e mesmo no mundo, fazendo do Reino Unido um verdadeiro líder no setor.

“Tentem, por exemplo, procurar um único conteúdo legendado num dos canais comerciais existentes na Alemanha e saberão do que estou a falar!”

[Red Bee]

Ler o Livro Branco “Subtitling on British Television – the remaining challenges”.

60 mil horas / ano de serviços acessíveis para televisão

Red Bee - uma boa prática em conteúdos televisivos

David Padmore, diretor da Red Bee Media, empresa responsável pelos serviços de acessibilidade disponibilizados pelo operador público de televisão no Reino Unido – BBC – vem a Portugal no próximo dia 25 de novembro. Ele integra o painel de especialistas internacionais convidados pelo GMCS para o III Colóquio Media e Deficiência que este ano tem por tema “Acessibilidade aos Meios Audiovisuais – da cidadania ao modelo de negócio”.

A Red Bee Media é dos maiores operadores Europeus a trabalhar no setor da tradução audiovisual acessível para televisão. A Red Bee Media opera no Reino Unido, França, Alemanha e Austrália. Só para o Reino Unido, o contrato assinado até 2019 com a BBC, prevê a produção de 60 mil horas por ano de língua gestual, legendagem e audiodescrição.

A acessibilidade em televisão é um dos vetores de inovação para o século XXI, cada vez mais ambicionada pelos espectadores. Uma vantagem comparativa a que os operadores não podem ficar indiferentes e que cada vez mais é uma variável de negócio a ter em conta.