Categoria: Estudos

A comunicação do turismo acessível: um estudo sobre as atrações turísticas da cidade do Porto

Cidade do Porto - vista do Rio Douro, à noite

Autora: Celine Teixeira de Castro

A cidade do Porto, um dos destinos turísticos mais antigos da Europa, é reconhecida pelo seu charme. O seu centro histórico foi classificado em 1996 pela UNESCO como Património Cultural da Humanidade e está atualmente em voga na indústria do Turismo. Eleito por viajantes de todo o mundo como European Best Destination em 2012, 2014 e, mais recentemente, em 2017, o Porto é um destino cada vez mais adequado ao mercado de turismo acessível. No entanto, a imagem projetada no universo da world wide web não reflete a realidade, uma vez que esta mesma acessibilidade não é devidamente difundida nos websites turísticos. A conclusão é do estudo “A comunicação do Turismo Acessível: um estudo sobre as atrações turísticas da cidade do Porto”, realizado no âmbito do Mestrado em Marketing da Faculdade de Economia da Universidade do Porto.

ver artigo – A comunicação do turismo acessível: um estudo sobre as atrações turísticas da cidade do Porto

Audiodescrição transmitida pela RTP não está a chegar aos potenciais espetadores

RTP - Rádio e Televisão de Portugal

85% dos respondentes com deficiência visual dizem nunca terem visto nenhuma das séries transmitidas pela RTP com audiodescrição.

Dos que nunca viram, 68% dizem que desconheciam que as séries estavam a ser transmitidas com audiodescrição.

Dos que dizem já ter visto, 58% fizeram-no via rádio, sintonizando a Onda Média da Antena 1.

Já não disporem de Televisão Digital Terrestre e não terem um aparelho de rádio com Onda Média ou não conseguirem sintonizá-lo em boas condições de receção são também razões apontadas pelos potenciais espetadores para nunca terem tido a oportunidade de assistirem a uma emissão com audiodescrição.

O presente estudo foi da responsabilidade da equipa da Unidade ACESSO do Departamento da Sociedade da Informação da Fundação para a Ciência e a Tecnologia e foi realizado durante o mês de novembro de 2016.

Estudo sobre a receção de audiodescrição transmitida pela RTP.

Estudo Europeu sobre acessibilidade Web mostra que Portugal está na média da UE27

Portugal com classificação média ligeiramente acima dos 50%

Figura 1: Pontuação Global (em % da pontuação máxima possível por cada país)

O relatório final Study on Assessing and Promoting e-Accessibility” (PDF, 3,3MB) mostra que os sítios da Administração Pública portuguesa se encontram na média dos Estados Membros da UE a 27.

Dois anos depois de ter surgido em 2º lugar num ranking de 192 países, Portugal descola da Alemanha e cai para a média da UE27. Uma bateria de testes singular em estudos de acessibilidade e uma mudança da avaliação de automática para manual pericial, poderá estar na base de uma posição mais crítica de Portugal. Alemanha ocupa o 2º lugar, o que indicia que poderá ter uma realidade capaz de resistir a qualquer metodologia de análise.

A pontuação global obtida por Portugal está ligeiramente acima dos 50%, similar à média da UE27, 20% abaixo dos melhores e 20% acima do “lanterna vermelha”. Os 3 melhores são Reino Unido, Alemanha e República Checa. Grécia, Letónia e Chipre ocupam a cauda. Na vizinhança de Portugal, temos a Dinamarca e a Holanda.

Ler mais sobre acessibilidade web mostra que Portugal está na média da UE27

Hotelaria de Lisboa investe pouco na inclusão

Turismo Acessível - Lisboa

texto escrito por Dora Alexandre1

Lisboa é o principal destino turístico nacional, e a sua reputação enquanto destino turístico de eleição tem vindo a consolidar-se com prestigiados prémios internacionais. No entanto, a hotelaria da nossa capital parece ainda não ter despertado para o facto de estar situada num continente cada vez mais envelhecido, e num país em que 18% da população tem algum tipo de incapacidade: a oferta de quartos acessíveis representa menos de 2% da oferta total de alojamento lisboeta. A conclusão é do estudo “Turismo para Todos na Hotelaria de Lisboa – um custo ou um investimento”, realizado no âmbito de Mestrado na Escola Superior de Hotelaria e Turismo do Estoril (Alexandre, D., 2013).

Ler mais sobre Hotelaria de Lisboa investe pouco na inclusão